Sunday, January 19, 2014

18 de Janeiro


Depois da Chuva
Part 4 – Final

Juliana sentiu seu cabelo ser puxado, devagar e gentilmente primeiro, e com muito mais intensidade depois. Ela abriu os olhos preguiçosamente, eram sete horas da manhã e quando Juliana se virou ela viu a pequena menina engatinhando no colchão com uma expressão de medo nos enormes olhos castanhos.
A jovem sentou-se e puxou a menininha para seu colo  e acariciou os cachos da menina de quatro anos.
– Pesadelos? – Juliana perguntou com uma voz bastante sonolenta
A pequenina acenou com a cabeça e os cachos foram para todos os lados, o que fez Juliana sorrir um pouco antes de beijar a testa da menina.
– Erica... Eu já falei pra você meu amor.  Nada de filmes de terror quando eu não estou por perto.
Juliana olhava seriamente para sua filha, perdida dentro daqueles olhos tão lindos... Quatro anos  haviam se passado e Juliana ainda não conseguia deixar de notar o quanto sua filha parecia com Matheus, os olhos eram quase os mesmos, o mesmo olhar culpado e o sorriso safado.
       Já falou... Um milhão de vezes.
Erica disse, e a voz de sua filha trouxe Juliana de volta a realidade, e com um longo bocejo, Juliana deitou mais uma vez e deixou a menininha se aninhar em cima dela. As duas ficaram quietinhas por um longo momento e Juliana abriu os olhos
       Por que você assistiu um  filme de terror ontem a noite? – Juliana perguntou
       Era o filme preferido do papai... – Respondeu a Erica com as bochechas muito vermelhas, ela mordia a ponta do dedão quando estava se sentindo envergonhada – Se ele gostava eu tenho que gostar também... Mas os filmes me dão pesadelos...
Juliana sorriu e abraçou a menina com carinho,  Juliana tinha muita sorte de ter uma filha como Erica, que entendeu que ela nasceu depois que o papai havia morrido e que mesmo assim, ele ainda a amava muito, igual a sua mãe.
       Entendo – Juliana disse lambendo os lábios enquanto pensava. – eu tal isso, fazemos um café da manhã especial..
       SALADA DE FRUTA E SORVETE
       Sorvete não é exatamente café da manhã
       Torrada e gêleia?
       Agora sim... Bem fazemos um café da manhã especial e a gente assiste um dos filmes preferidos do papai...E então nos arrumamos para receber o Tio André.

Erica acenou com a cabeça energeticamente, um sorriso enorme de orelha a orelha, era difícil explicar para as pessoas como Juliana havia engravidado, mas a verdade era que ... Juliana sabia, e nada mais  importava.
Obviamente sentia falta de seu marido, mas agora tinha muitas coisas boas para ocupar sua cabeça, e com Erica por perto, parecia que Matheus nunca fora a lugar nenhum...





No comments:

Post a Comment