Wednesday, January 22, 2014

22 de Janeiro



Você Tem Uma Mensagem.

Eu sei que você não sabe quem sou, e que muito possivelmente nunca irá descobrir quem eu sou, mas eu tenho uma história para te contar, a minha história.
Sei que tenho que ser breve, mas tenho que começar do princípio. 
A verdade é que eu nunca acreditei em histórias de fantasma, e mesmo trabalhando minha vida toda em uma loja de antiguidades nunca me perdi nas lendas e nas histórias que vinham acompanhadas das peças que eram tão velhas…
Acho que por que nunca acreditei nessas histórias eu nunca tive medo delas, nunca tive pesadelos ou temi o desconhecido. O inexplicável me parecia muito divertido… Eu estava enganado. 
Nunca gostei muito de peças antigas, mas sempre fui muito curioso, então quando uma grande caixa preta chegou na loja, com um enorme cadeado de latão, foi quase impossível de resistir. 

Aquela era a peça mais velha que havíamos recebido na loja, tão velha, tão linda, tão delicada... Até mesmo para um cara que não gostava de coisa velha tinha que admitir, aquilo era genial! E era apenas a caixa!
Eu abri a caixa e dentro dela havia um telefone velho, de porcelana decorada com tons de preto e azul, havia detalhes em preta no bocal e no gancho... Algumas partes estavam quebradas,  as bordas tinham poucos lascas na lateral esquerda e os números do discador  quase não podiam se ver, mas era um telefone lindo. Honestamente era a peça mais linda que eu já vi na minha vida. Mas dentro da caixa tão linda, havia um pequeno pedaço de papel que dizia em grandes letras corridas.
“Não use. Destrua esse telefone.”
Você deve estar assustado agora, mas não desligue.
Eu li o bilhete e finalmente percebi que a caixa e o telefone, não foram mandados para serem vendidos na loja, era como se alguém tivesse joga fora a caixa. Naquele momento eu pensei comigo mesmo.  “Nunca gostei de peça nenhuma da loja, nunca me interessei por nada aqui, por que não ficar com isso?”
Foi o que eu precisava, no mesmo dia levei o telefone para casa e para minha surpresa quando eu o conectei na minha linha, funcionou perfeitamente.  O telefone ficava na minha sala, na mesinha lateral.  Porcelana clara se destacava com a parede colorida que havia por trás e... Ficou sensacional.
Gostava de observar o telefone enquanto sentava na sala para ler ou assistir televisão. Primeiro era uma sensação curiosa, de que o telefone sempre esteve lá, e que pertencia aquele lugar. Era meu telefone.
 Acho que na minha admiração, não percebi que depois do dia que instalei o telefone, ele nunca tocou, mesmo quando meus amigos e outras pessoas ligavam para mim sempre dava o toque de ocupado embora... Eu nunca estivesse.
A verdade é que eu nunca fui um cara muito de sair de casa, mas depois que eu coloquei o telefone lá em casa, eu nunca mais fui a lugar nenhum, e achava completamente normal quando ficava feito um idiota olhando aquele telefone.
O tempo passou e nada mudou na minha vida, só que eu estava cada vez mais e mais solitário  e cada vez mais enfeitiçado por uma peça decorativa da minha casa.
Eu achava tudo normal. Eu estava errado.
Uma noite eu estava deitado no meu quarto, tentando dormir, quando eu escutei o sonoro e delicado toque do telefone... E eu sabia que era o toque do meu telefone.  Eu desci correndo as escadas e atendi... Ou eu acho que eu atendi.
Eu ouvi uma voz que me contava uma história parecida com a minha, era uma voz triste, uma voz sozinha e ... Morta.
E foi ai que eu percebi que eu estava perdido, igualzinho a você meu amigo, que está ouvindo isso.
Você não tem muito tempo. Me desculpe por isso, mas  em vez de fazer uma mensagem contando sua história... Fica aqui o meu apelo, com o pouco tempo que te resta...
Pega uma martelo e destrua aquele maldito telefone.


 








No comments:

Post a Comment