Monday, April 14, 2014

14 de Abril

Desfile de Mascáras 

Era uma família comum, que passava, junto, um feriado comum. Sentados a mesa estavam todos eles, sorrindo enquanto comiam e bebiam as grandes quantidade de alimentos típicos  da época.
Era uma família comum, e todos fingiam estar felizes. Desempenhavam seus papeis como deveriam, sorrindo nas horas certas, alternando quem e quando se contaria um caso curioso ou engraçado, quem serviria as bebidas, quem cortaria a ave...
Naquela família comum havia uma avô comum que sorria, embora tivesse desistido de viver. Sobrevivia por motivos desconhecidos por ele, sentia-se fraco e sabia que nenhuma daquelas pessoas entendia de fato sua situação.
Ao lado do avô havia a jovem silenciosa, sentará longe de seu pai, com que, não falava havia pelo menos, cinco anos. Ria e brindavam a seu copo com os tios e a mãe, todos faziam parte de sua coversa, menos o pai. Espera ela que ninguém notasse o silencio entre eles.
Mas notaram, e todos, como bons atores, ignoraram.
 Ao lado da jovem silenciosa havia a mãe maquiada, escondia sob falsos sorrisos e longas mangas o real motivo do silencio entre a filha e o marido querido, que era talvez um pouco difícil de lidar, e às vezes demonstrava seu afeto de forma ... Diferente, mas ela sabia que ele a amava... Estavam juntos há mais de vinte anos, é claro que a amava.... Pensava a mãe maquiada.
Logo a frente da mãe maquiada estava sentada a avó sem óculos, que fingia  não ver o silencio, que fingia não notar o avô comum e que preferia ignora o namorado da jovem silenciosa, e fazer de conta que tudo estava lindo.
Era um Natal com ares de carnaval, onde todos usam máscaras e comiam as comidas que nos lábios não tinham sabor, e conversavam sobre os fatos que... De verdade, não tinham importância. Viviam de aparência e por algumas horas, o mundo imperfeito de uma família comum, era como nos filmes, belo e maravilhoso.

Quem dera...

No comments:

Post a Comment